-->

13 setembro, 2005

Cigarrilha e Whisky I : Cidade-Museu

Aqui estou eu, comigo.
Enquanto outros dormem e vivem,
eu brilho no escuro.

Cigarrilha na mão, whisky tão perto;
"Fantástica" como o meu coração não está só.
Eh, "Fantástica". É esse o termo certo.
Quem iria dizer... após tanta vida e morte em mim,
tanta pouca sorte,

surge-me a certeza tão sublime que não doi;
que alegra, engrandece, me faz respirar,
cantar de novo de manhã!

Única... mulher de trajes comuns,
fornalha de aldeia, pele branca, olhos seguros,
Alma Gigante... tomou-me;
De dentro para fora como uma estrela que nasce,
se espalha no vazio que me dá forma.
Como uma gota de água, brilho com o seu brilho,
reflito a luz do sonho que me deu
numa noite de domingo

na Cidade-Museu.


Rui Diniz

1 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

Conforto, âncora, assim defino esta poesia. Tamanha sensibilidade desperta em meus lábios um sorriso calmo e enchem-me de prazer.
Meus eternos parabéns

outubro 07, 2005 10:13 da tarde  

Enviar um comentário

Atalhos para este post:

Criar uma hiperligação

<< Home