-->

05 setembro, 2005

Dormência

Quando sentes, fá-lo em forma de prosa!
Que só rime no mel de versos avulso
quase sem sentido, quase à deriva,
quase perdidos na água esquiva
que quando vês deixas escorrer
da barragem de marfim e ébano,
enquanto fechas as comportas
para que a luz não fira mais...
A luz porta dores reais...


É que mais vale não ver, virar o archote,
fingir que a alma é um pote,
inquebrável, sem retorno,
sem uma pinga de transtorno...
e assim talvez na massa estéril
em que se torna o ex-coração forte
te surjam fontes de alma dócil,
cuja vida mate a raiz
da tua morte...


Rui Diniz

3 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

Aqui fica a minha passagem pelo teu Blog, muito bonito...daquele amigo e amante das coisas do canto

Z Rui

setembro 09, 2005 12:28 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Hmmm que bela surpresa esta minha visita ao teu blog ... a poesia conjugada com o gerês hmmm só me falta mesmo a cigarrilha
:D

DarkThorn

dezembro 30, 2005 5:45 da tarde  
Blogger Rui Diniz disse...

Obrigado! Muito obrigado Darkie :-D !

dezembro 30, 2005 9:47 da tarde  

Enviar um comentário

Atalhos para este post:

Criar uma hiperligação

<< Home