-->

23 agosto, 2007

Para a Ovelha

A manhã de um novo dia já nasce velha,
pois floresce na lama de um jardim putrefacto.
Para a ovelha, não há tacto;
só um sonho longínquo e um sentimento de dever
e a roupa rígida que não se atreve a romper.

Os corpos são amestrados pela cabeça
e movimentam-se em modo automático.
Para a ovelha, tudo é estático;
aprisionada entre os deuses e os demónios,
entre o espírito santo e seus heterónimos.

As horas passam num movimento sem mente,
um vácuo que se preenche na obediência.
Para a ovelha, não há ciência;
só a mão erguida e a face derrotada,
unidas à ignorância que usa como uma espada.

No seu estômago, digere a vontade que entregou
às carícias das mãos paternas dos pastores.
Para a ovelha, não há sabores;
Há um pão duro engolido a cada alvorada
completado com um café
e um doce pastel de nada...


Rui Diniz

4 Comments:

Blogger Menina_marota disse...

É sempre um prazer ler a tua poesia.

Já é tempo de actualizares o blogue...
Bj ;)

outubro 19, 2007 12:08 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Estou sempre aqui, crescento e me emocionando com teus textos.
abração
Alana

outubro 24, 2007 9:40 da tarde  
Blogger Inezteves disse...

E o livro de ficção?
Já foi publicado?
Volta que fazes falta!!

junho 30, 2008 6:44 da tarde  
Blogger Rui Diniz disse...

Inezteves:
Ainda não, mas está tudo muito bem encaminhado.

Grato pelo apoio :-)
Assim que houver novidades, expô-las-ei aqui!

Abraço!

junho 30, 2008 9:40 da tarde  

Enviar um comentário

Atalhos para este post:

Criar uma hiperligação

<< Home