-->

21 outubro, 2005

Enquanto descansas...

Deves descansar por esta hora...
sozinha, aninhada, com a mente em teus projectos,
eu sei que o cansaço já não vai embora;
e que o sono nunca chega a tempos certos...!

Eu estou contigo... porém, meu corpo não canta aí;
nem meus braços afastam o frio da noite na cama vã,
nem meu olhar coloca de novo a chama em ti...
mas minh'alma aqui beija-te num tom menor de Chopin.

E apesar da pústula da tua ausência
com que me brindaste em teus braços longe,
ainda és tu a suave manta que me cobre
e o meu oásis no deserto frio!
Ainda és tu a espada que me fez nobre...
e és tu, mulher...

a razão porque sorrio. :)


Rui Diniz

1 Comments:

Anonymous Anónimo disse...

São palavras palpáveis... libertam um aroma doce, fazendo da distância um minúsculo pormenor...! É como se ausência se tornasse presença. Libertas um beijo em cada palavra...

outubro 21, 2005 2:52 da tarde  

Enviar um comentário

Atalhos para este post:

Criar uma hiperligação

<< Home