-->

23 agosto, 2007

Para a Ovelha

A manhã de um novo dia já nasce velha,
pois floresce na lama de um jardim putrefacto.
Para a ovelha, não há tacto;
só um sonho longínquo e um sentimento de dever
e a roupa rígida que não se atreve a romper.

Os corpos são amestrados pela cabeça
e movimentam-se em modo automático.
Para a ovelha, tudo é estático;
aprisionada entre os deuses e os demónios,
entre o espírito santo e seus heterónimos.

As horas passam num movimento sem mente,
um vácuo que se preenche na obediência.
Para a ovelha, não há ciência;
só a mão erguida e a face derrotada,
unidas à ignorância que usa como uma espada.

No seu estômago, digere a vontade que entregou
às carícias das mãos paternas dos pastores.
Para a ovelha, não há sabores;
Há um pão duro engolido a cada alvorada
completado com um café
e um doce pastel de nada...


Rui Diniz