-->

13 fevereiro, 2007

A tabaco e vinho

A tabaco e vinho tento alcançar-te;
na ausência de um espera
que nos une e divide.
Passados tantos anos sem te conhecer,
sinto que vivi a apresentação
de uma qualquer cerimónia
em que premiaram a minha carreira
com o teu coração.
Uma carreira no cinema,
da qual só me lembro
da tua entrada em cena;
chegaste vinda de um Dezembro
sentindo que contracenar comigo
valeria a pena.

Há um certo gosto
que não se dilui neste Porto
nem no fumo de Amsterdão;
o sabor da tua boca em desejo
e do conforto
que te acompanha o sorriso e a mão...
Estou aqui, absorto.
À minha volta a vida ainda gira,
imersa na artificialidade da mentira,
perdida em rumos falsificados.
Quem dera que todos eles fossem amados
como o sou por ti, mulher...
Quem dera que todos eles pudessem colher
os frutos de uma boca como a tua,
pois aí estariam eles absortos,
e comigo, deixariam de girar na vida,
largariam as coisas e estariam de partida
para onde os meus sonhos vivem soltos.

Não sei em que lugar estou,
mas estou contigo.
Absorvo esta sensação no umbigo
de ver-te chegar de mansinho...
e entregue a tabaco e vinho tento alcançar-te;
na presença de uma espera ausente
que com meus sentidos no futuro
ainda vivo no presente...


Rui Diniz

4 Comments:

Blogger Isabel disse...

Tocante...
Qualidade poética e alta muito alta concentraçao de sentidos.

BELO!

Isabel

fevereiro 13, 2007 3:59 da tarde  
Blogger Debaixo do Bulcão disse...

Concordo.
(Mas cuidado que o tabaco faz mal)

Vitorino

fevereiro 13, 2007 5:22 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Uau, não tenho palavras para definir meus sentimentos ao ler este poema. Fico cá pensando o que o teria inspirado a escrever sobre tal tema? Será realidade ou pura ficção?
Lívia Nunes

fevereiro 28, 2007 12:07 da manhã  
Blogger Rui Diniz disse...

Ambas; quando uma ilusão nos invade a realidade, ela funde-se e deixamos de distingui-la até ao momento em que se dissipa de vez. Aí, a realidade nua torna-se a única coisa tangível e também tudo aquilo que não queremos ver nem tocar.

A mente humana é um editor de Hollywood :-)

Sempre bem vinda, Lívia,
Com Consideração,
Diniz

fevereiro 28, 2007 10:06 da manhã  

Enviar um comentário

Atalhos para este post:

Criar uma hiperligação

<< Home